Intermediário

Momento certo e ótima locação resultam em fotografias de maternidade memoráveis

Glossário

Beth Wade começou a tirar fotografias de maternidade como complemento a suas fotografias de recém-nascidos. Na verdade, essas fotografias seriam anteriores às fotos dos recém-nascidos.

No começo não era muito satisfatório. "Estava tentando fazer as coisas da moda", conta Beth. "As pessoas me mandavam fotos das redes sociais e queriam que colocassem pequenos blocos nas barrigas e coisas desse tipo. Isso não era eu". 

Ela queria algo diferente, fotografias de maternidade mais interessantes e desafiadores do que estava vendo, e ela encontrou isso usando o que via no seu quintal: "Vivemos próximo de um lago. Eu tinha o que precisava bem aqui".

Com isso, como diz, "há tantas maneiras de fotografar uma barriga", ela deixou o cenário ajudá-la a criar as imagens mais diferentes que conseguiu.  "Temos uma visão de três quilômetros descendo o canal principal— é um ângulo fantástico para esse tipo de fotografia." Ela também mora em um bairro que, com um curto passeio de carro, oferece áreas de grama, várias árvores, campos abertos e jardins.    

    

Na zona de conforto

Não é só uma locação ideal para fotografias, é um benefício grande para os clientes. "Meu estúdio fica anexo à minha casa, então é uma zona de conforto para os clientes", diz Beth. "Não precisamos viajar grandes distâncias e há um lugar para trocar de roupas."

As sessões começam com as fotografias de estúdio. "Fazemos isso enquanto lá fora ainda está muito claro. Trocamos de roupas várias vezes, fazemos as fotografias e vamos para o lado de fora." As fotografias de jardim e campo vêm depois, e o dia termina com o pôr do sol no lago—"então se ela se molhar e se me molhar, essas são as últimas fotos do dia e podemos caminhar até em casa para trocar de roupa".

Beth geralmente marca as fotografias entre 32 e 35 semanas de gestação, o tempo ideal e um equilíbrio entre "uma barriga bela e redonda" e uma cliente "menos desconfortável". "No entanto, tudo depende da mãe", ela diz. "Tive uma cliente com uma barriga pequena entre 34 e 36 semanas, e a marquei recentemente para 37 ou 38 semanas. Mas geralmente quero tirar as fotografias antes de 37 semanas."

O clima da Carolina do Sul se intromete de vez em quando. "Em um verão, por causa da chuva, tive que remarcar algumas sessões três ou quatro vezes. Eu adio até uma semana e tudo bem, mas se chegar a um ponto onde já adiamos demais eu deixo a cliente decidir." 

A essência do estilo

Locação com certeza é importante para o resultado da fotografia, mas não é tudo. Beth lida com imagens idealizadas—você pode pensar nas sessões como sessões de modelos, mas com mais sentimento— e para ajudar a criar essas imagens até mesmo profissionais de cabelo e maquiagem são utilizados, se a cliente escolher. As clientes podem escolher suas próprias roupas, mas Beth prefere combiná-las com selecionados da sua coleção de tecidos e vestidos.

Grande parte do estilo dela está no clima que ela cria nas fotografias ao utilizar fundos interessantes e várias vezes incomuns. Ela também monta situações de silhueta, e na pós-produção remove uma parte do fundo natural ou linhas do horizonte para criar uma atmosfera mais suave.

Uma vez que o conforto da cliente é primordial, o controle da câmera tem que ser natural e a pose tem que ser rápida e certa. "Não posso ficar brincando com as configurações da câmera. E tenho que saber onde posicionar as mães e qual ângulo usar para fotografar."

Ela gosta de fotografar ao ar livre para conseguir fundos suaves, mas faz ajustes para adaptar a visão dela para uma imagem em particular. "Geralmente gosto de manter uma boa distância entre meu assunto e o fundo para aumentar a suavidade do desfoque; outras vezes não é isso que estou procurando." 

O importante, ela enfatiza, é saber antes de mudar como isso vai afetar a imagem. Tudo depende de saber o que ela precisa— das lentes, do f/stop, da velocidade do obturador e ISO— para conseguir o que quer na imagem.

Beth usa estroboscópios dentro do estúdio e luz natural do lado de fora. O uso do tripé é bem restrito para quando ela entra no lago. "Na maioria das vezes que fotografo no lago eu fico com água até as orelhas", ela conta, "com a câmera a 5 cm da água. Claro que meus clientes dizem, 'você é doida!' Contudo, comprei botinas recentemente, e elas são fantásticas." 


Deixando diferente, deixando pessoal

"Sou uma grande fã de fotografias sem rostos", diz Beth, "e não ter que necessariamente fazer meus assuntos sorrirem para a câmera. Faço uma variedade de coisas para mudar o olhar. Fotografo de corpo inteiro com ela olhando para baixo ou para mim, também fotografo e corto do queixo ou do pescoço para baixo. Algumas mães preferem sem rosto ou não olhar para a câmera; outras realmente gostam de sorrir para a câmera." Ela sente que fotos sem sorrisos e cortadas chamam a atenção para a barriga— "o que é essencialmente o que as mães querem; por fim a fotografia tem a ver com o bebê que estão carregando."

Nada que ela faz é surpresa para a cliente. Elas já viram amostras do trabalho e sabem o que esperar, e o que elas esperam é o que Beth gosta de fazer. "Eu garanto que o que elas veem no meu portfólio no site e blog represente o que elas podem esperar de uma sessão comigo, e é isso que quero fazer."

Este artigo vai muito bem com esse produto

Mais artigos como este